Pesquisa encomendada do IBOPE “extermina” torcedores do São Paulo

spfc

Pesquisa realizada pelo Ibope em parceria com o jornal Lance! constatou que o Flamengo segue sendo o clube com o maior número de torcedores no Brasil. Em relação ao levantamento anterior, de 2010, o Rubro-Negro oscilou para baixo dentro da margem de erro de um ponto percentual, enquanto o Corinthians cresceu 0,2 ponto. Nos últimos quatro anos, a diferença baixou de 3,8 para 2,6 pontos percentuais – há dez anos, era de 4,9 pontos. O São Paulo manteve o terceiro lugar no ranking, com 6,8% de participação, mas teve queda de 1,9 ponto percentual, a maior entre todos os 18 clubes citados pela pesquisa. 

Notem: O São Paulo teve quase 2% de variação!

Como pode uma pesquisa simplesmente aniquilar 3 milhões de torcedores de um clube em 4 anos? Por mais errada que estivesse em 2010 e por mais crise que tenha o São Paulo, é como se a torcida de Santos, Botafogo e Fluminense por exemplo, deixassem simplesmente de existir. O Palmeiras que caiu para a Série B manteve, o Vasco e o SPFC caiu assim? Digno de pena.

Bom, em tempos de eleições, podemos ver que a leviandade e veracidade destas pesquisas estão sempre à prova. Os institutos sempre colocando o que querem e fazendo as amostragens como desejam. Mas, não foi assim que um sócio e componente do Conselho do Corinthians divulgou uma pesquisa que colocava o time preto e branco como mais transparente do Brasil? Super isento, certo?

Da mesma forma que Andres conseguiu o Itaquerão junto a Lula por necessidade de mais um estádio em São Paulo. O que mais me assusta é o Lance! não questionar a pesquisa e não avaliar o absurdo. Mas tudo bem, em tempos de falência de veículos, temos mesmo que entender que para sobreviver, polêmicas são necessárias.

Só que sãopaulino, não caia nessa.

Proteste não acessando o site, não comprando jornal.

Ou cuidado, na próxima, você pode ser limado do planeta e nossa torcida pode estar menor que a da Portuguesa se eles quiserem.

Segue a lista da mentira:

Share Button

Tricolor define lista para a Copa Sul-Americana

Em busca do bicampeonato da Copa Sul-Americana, o Tricolor inscreveu 30 jogadores na competição nacional. A grande novidade na lista do técnico Muricy Ramalho é o atacante Alan Kardec, que não podia atuar na Copa do Brasil – por já ter defendido o Palmeiras -, mas que não será problema no torneio continental.

Os jovens Matheus Reis e Joanderson, ambos do time Sub-20 e revelados no Centro de Formação de Atletas Laudo Natel, em Cotia, também foram inscritos na Copa Sul-Americana e estão à disposição do treinador são-paulino, que tem a missão de brigar por mais um troféu da competição e, dessa forma, garantir uma vaga na Libertadores da América do próximo ano.

Como a lista final foi enviada à Conmebol no início da noite da última terça-feira (27) -data limite para inscrição dos jogadores -, o lateral-direito Douglas acabou regularizado para defender o time. No entanto, negociado com o Barcelona, o agora ex-camisa 23 do São Paulo não poderá mais jogar pelo time tricolor e seguirá para a Europa.

Nesta quinta-feira (28), no Estádio Heriberto Hülse, a equipe são-paulina dará o pontapé inicial para a disputa da edição deste ano do torneio sul-americano. Diante do Criciúma, no confronto de ida da segunda fase, os comandados de Muricy darão o primeiro passo em busca de uma vaga na fase internacional do campeonato, que foi vencido pelo clube em 2012.

Confira a lista com os atletas inscritos na Sul-Americana:

  • 1-Rogério Ceni
  • 2-Rafael Toloi
  • 3-Lucão
  • 4-Antonio Carlos
  • 5-Souza
  • 6-Alvaro Pereira
  • 7-Michel Bastos
  • 8-Kaká
  • 9-Luis Fabiano
  • 10-Paulo Henrique Ganso
  • 11-Alexandre Pato
  • 12-Denis
  • 13-Paulo Miranda
  • 14-Alan Kardec
  • 15-Denilson
  • 16-Reinaldo
  • 17-Osvaldo
  • 18-Maicon
  • 19-Ademilson
  • 20-Matheus Reis
  • 21-Edson Silva
  • 22-Joanderson
  • 23-Douglas
  • 24-Léo
  • 25-Hudson
  • 26-Auro
  • 27-Luis Ricardo
  • 28-Boschilia
  • 29-Ewandro
  • 30-Renan Ribeiro
Fonte: Site Oficial
Share Button

Ganso diz viver a melhor fase: ‘Estou levantando o São Paulo para o título’

Ganso

Paulo Henrique Ganso chegou no São Paulo no fim de 2012, mas é agora, em 2014, que diz viver sua melhor fase no clube. Líder de assistências do Tricolor na temporada, com 11, o jogador foi beneficiado com a chegada de Kaká ao time neste semestre. Aliado a isso tudo, a falta de lesões é outro item que explica o momento.

- É a melhor fase porque eu estou levantando o São Paulo para o título do Campeonato Brasileiro. Estou mantendo a média de jogos e não sentindo mais nenhuma contusão. O principal é a parte física. Estou me sentindo muito bem fisicamente. Outra coisa é a mobilidade, de driblar, dar um giro, que eu não tinha e agora voltei a ter – disse o meia, em entrevista ao programa Arena Sportv.

Nesta temporada, Ganso soma 39 jogos. Ele foi o autor de um golaço contra o Santos, no último domingo, que abriu o placar da partida e ajudou o São Paulo a garantir o triunfo sobre seu ex-clube. Além disso, ajudou a equipe comandada por Muricy Ramalho alcançar sua quarta vitória consecutiva na competição. O Tricolor é o vice-líder do Brasileirão com 32 pontos.

Neste ano, Ganso conseguiu outro feito inédito desde sua chegada ao Tricolor: marcou dois gols em dois jogos consecutivos (contra o Inter e contra o Santos). Ele soma cinco tentos, número total de gols que fez na temporada passada.

Fonte: Lancenet

Share Button

Coluna do José Renato: Uma muralha chamada Marião

image001

Aquele menino nascido em 3 de agosto de 1952 na cidade paulista de Paraíbuna, queria ser jogador de futebol.

Seu nome, Mario Gomes Amado, está longe de ser aquele pelo qual foi conhecido.

Passou para a história tricolor como Marião.

Um jogador de peso.

Mais de 100 kg.

Lento e com clara dificuldade para bolas altas.

Um dos poucos jogadores de nossa história que não tinha muita qualidade técnica, algo frequente nos nossos rivais.

Possua algo, no entanto, que sempre fez parte do nosso DNA, impunha respeito.

Estreou com as nossa cores em 14 de dezembro de 1978.

No Morumbi, no empate em 2 gols frente a Ferroviária de Araraquara.

No meio do campeonato paulista conquistado pelos alvinegros da Federação Paulista de Futebol.

Jamais foi titular absoluto.

Mas estava sempre jogando.

Era um outro São Paulo.

Tempos de Waldir Peres, Muricy, Dario Pereyra (ainda no meio campo), Serginho, Zé Sérgio,e tantos outros.

Foi peça fundamental em prol da construção da Máquina Tricolor, que seria bicampeã paulista em 1980 e 1981.

Fez dupla de zaga com o grande Dario Pereyra, quando ele foi deslocado do meio de campo por decisão do técnico Carlos Alberto Silva.

O uruguaio ganhou status de Xerife, após associar, em seu jogo, o respeito que Marião tinha frente seus adversários.

Foi quando, em 1980, chegou Oscar, titular da seleção brasileira, que logo se tornou titular.

Com a camisa do mais querido, Marião jogou 51 partidas oficiais.

Venceu 17 delas.

E marcou 2 gols.

Foi chamado para o andar de cima em 24 de agosto de 2011.

 

Share Button

São Paulo confirma venda de Douglas ao Barcelona

O São Paulo sacramentou na noite desta terça-feira (26) a venda do lateral-direito Douglas para o Barcelona, da Espanha. Detentor de 60% dos direitos econômicos do atleta, o clube ficará com 3,6 milhões de euros pela transação. Douglas assinou um contrato de cinco anos com o clube espanhol e viaja ainda nesta semana para a Catalunha. O são-paulino se integrará ao novo time imediatamente.

“A venda do Douglas não é um momento de alegria, porque estamos perdendo um titular da nossa equipe, mas para ele é muito bom e poderá disputar a Liga dos Campeões. Desejamos ao Douglas toda a felicidade e que ele tenha uma grande passagem pelo futebol espanhol. E, quem sabe, a gente não consiga trazê-lo novamente daqui alguns anos, como o São Paulo tem feito com seus grandes atletas. A operação era complicada, porque havia um sócio, mas o São Paulo conseguiu receber 3,6 milhões de euros pelos seus 60% dos direitos econômicos que tinha do jogador”, afirmou o Presidente do São Paulo Futebol Clube, Carlos Miguel Aidar, que recebeu no Morumbi o CEO do Barcelona, Antoni Rossich.

Campeão da Copa Sul-Americana de 2012 e homem de confiança de todos os técnicos que passaram pelo Tricolor, Douglas chegou ao clube há dois anos, ainda sob o comando do técnico Emerson Leão, e logo conquistou o seu lugar na equipe. Versátil, o atleta se firmou na lateral direita, mas sempre foi importante nos esquemas táticos dos treinadores.

Barcelona já anuncia Douglas em seu site oficial

Barcelona já anuncia Douglas em seu site oficial

“Só posso agradecer ao São Paulo por tudo que fez por mim. Fui recebido de portas abertas, mesmo chegando lesionado, e todos sempre me apoiaram. Foi gratificante ter jogado aqui. Fico triste pelos amigos que deixei no clube, mas agora poderei realizar o sonho de jogar em grandes competições da Europa”, disse Douglas.

Com Ney Franco, ainda em 2012, viveu a sua melhor fase no time são-paulino. Campeão da Copa Sul-Americana – conquista inédita para o clube -, Douglas também foi utilizado no ataque e mostrou que sua força e velocidade poderiam render novas opções ao comandante.

No ano seguinte, nas mãos de Paulo Autuori e Muricy Ramalho, não foi diferente. Dono da lateral direita, o jogador foi figura constante nas escalações do São Paulo. Além do torneio continental, o ala conquistou a Eusébio Cup, em Portugal.

Sempre muito valorizado dentro do elenco, principalmente pelo goleiro e capitão Rogério Ceni, o atleta conseguiu também ganhar a confiança da torcida. Foram 132 jogos e seis gols marcados no período em que atuou na equipe paulista.

Revelado nas categorias de base do Goiás – seu único clube antes de chegar ao São Paulo -, o lateral-direito ainda leva no currículo para a Europa a experiência de ter defendido as equipes de base da Seleção Brasileira. Em 2009, ao lado de Paulo Henrique Ganso, Souza, Alan Kardec e Rafael Toloi, o ala foi campeão sul-americano e vice mundial sub-20.

Fonte: Site Oficial

Share Button

Megafone: Jogadores-entidade

megafone

Aos 28 anos de idade, vivo um momento de êxtase no futebol. Nada de títulos e glórias. Pelo menos não ainda.

Antes de tudo, devo dizer: este texto começou a ser escrito há algumas semanas. Antes dessa série de 4 vitórias seguidas do São Paulo no Brasileirão. Minha alegria, assim como análises, são profundas o suficiente para não mudarem de semana a semana, tal qual muitos – torcedores e comentaristas esportivos – preferem fazer.

Minha felicidade atual é fruto, mais do que de resultados positivos, da satisfação em ver algumas figuras-chave que vestem a camisa Tricolor atualmente.

Me parece que uma boa parte dos são-paulinos ainda não se deu conta do tipo de pessoas temos trabalhando pelo nosso sucesso hoje em dia. Poderia dedicar textos inteiro à raça uruguaia de Álvaro Pereira, à genialidade de Ganso ou ao bom começo de Alan Kardec. Mas prefiro falar de outros três caras. Três ícones, daquele tipo que nos faz lembrar o porque escolhemos o São Paulo como time para o resto da vida.

Em um daqueles exercícios bobos, que só nós malucos por futebol nos prestamos a fazer, eu não preciso pensar muito para juntar Rogério Ceni, Kaká e Luis Fabiano à Cafú, Lugano, Miranda, Serginho, Mineiro, Hernanes, Raí e Muller, na seleção dos melhores jogadores que vi defender as cores do São Paulo FC, nos quase 25 anos em que acompanho futebol. Os 11 sob a batuta de Mestre Telê.

Você pode discordar de um, dois, cinco ou dos 12 nomes. O que acho inaceitável é negar, ou não enxergar, os feitos desses jogadores pelo time do Morumbi.

Precisaria de uma bíblia para falar de todos os citados, então vou retomar o texto a respeito dos cidadãos que defendem o São Paulo atualmente.

Vivemos o último semestre de Rogério Ceni. Carreira de títulos, individuais com recordes e coletivos no papel de protagonista, mas acima de tudo, de muita dedicação, respeito e amor ao Tricolor. Tenho certeza de que nenhum são-paulino de fato questione seus feitos. Mas me incomoda o modo que tem se referido ao nosso capitão. Um enxurrada de ingratidão semelhante a que os brasileiros fizeram com Roberto Carlos depois do meião de 2006, ou com Felipão na última Copa. Rogério Ceni não vive seu melho momento, longe disso. Na verdade, há alguns anos não é o mesmo que nos levou a tantas glórias na última década. Ele e nenhum outro jogador está acima da instituição São Paulo FC. Mas nunca deixou de se empenhar e se dedicar, e de sofrer com o time a cada derrota. Mais respeito com o nosso capitão.

Luis Fabiano, ao contrário de Rogério Ceni, vive questionamento constante no Tricolor, desde suas duas primeiras passagens pelo Tricolor. Fruto da falta de títulos de expressão, da contusões e das suspensões. São críticas justas e plausíveis. Mas vejo que muitas vezes, a torcida esquece os feitos positivos do Fabuloso, e se limitando a repetir as críticas que já ficaram impregnadas a imagem do jogador. Luis Fabiano é o 4º maior artilheiro de nossa história, 2º maior da história do Morumbi. Se não brilha como brilhava há uma década atrás, o Fabuloso tem sim uma boa média de gols desde seu retorno. Em 2012, LF só fez menos gols que Neymar, e no ano passado, o pior de sua carreira, fez menos apenas que William da Ponte Preta e Hernane do Flamengo, que não jogaram a Libertadores. É o artilheiro do time também

na atual temporada. Pra quem diz que ele desaparece em clássicos, olha só, Luis Fabiano tem a maior média de gols da história em confrontos com o SCCP. Não é expulso a mais de um ano, e na última vez foi por continuar jogada depois do apito do juiz. Fred por exemplo foi expulso duas vezes no último ano antes da Copa, as 2 por agressão. Podem faltar títulos, mas lembro que jogadores como Rivelino, Gérson, Sócrates e Roberto Dias não ganharam grandes títulos de expressão por seus principais clubes. Lembro também que Rohério Ceni tinha 33 anos quando venceu seu primeiro grande título de expressão, a Libertadores de 2005.

Por fim, Kaká. O menino que desde sempre mostrou maturidade de sujeito homem, inclusive na época de críticas por parte da torcida, em sua primeira passagem, está de volta. Por pouco tempo, nos dará a chance de contarmos com sua genialidade dentro e fora do campo. Kaká pertence a um grupo muito especial de jogadores. Aqueles que conseguem unir o bom futebol a representatividade nos bastidores. Temos exemplos recentes disso nos campos brasileiros: Seedorf no Botafogo, Alex no Coritiba, Juninho Pernambucano no Vasco, Ronaldo no SCCP e Ronaldinho no Atlético. Os 2 últimos mais pela história do que por ações efetivas. Mas de qualquer forma, jogadores que querem o bem do futebol nacional, sem deixar a admiração pelo clube de lado. Kaká (assim como LF) poderia ter seguido outro rumo, com mais dinheiro, mas preferiu nos dar a graça por mais 6 meses. Espero que saibam colher os frutos das sementes que Kaká já está plantando.

Enfim, um texto longo, para dizer para o são-paulino, tão mal acostumado com a nossa história de títulos, admire e saiba valorizar o momento em que vivemos. Vá o estádio, torça. Em caso de futebol irregular, cobre, mas tenha paciência também. Temos pessoas que verdadeiramente amam o clube atualmente e com história suficiente para nos dar esperança.

Por: Wagner Moribe

Share Button

Viagens ao Sub Mundo – Meu presente é o meu passado

 

viagens

Meu presente é o meu passado.

Daquelas discussões filosóficas de buteco, com o rabo de galo borbulhando após várias rodadas daquela cerveja mais baratinha… trincando, porque gelada, qualquer uma é a Nº 1.

Convido vocês para se sentarem aqui nesta mesa comigo. Vejam que temos uma ‘breja’ já sem rótulo, mas geladinha, uma porção de pururuca, um maço de cigarros Eight na metade, sem aquele plastiquinho de proteção… A mesa é vermelha, daquelas quadradas, de metal. O Neto, proprietário do estabelecimento, conseguiu 5 dessas, com 4 cadeiras cada, como apoio comercial da marca Conti. Provavelmente é a cerveja que estamos a bebericar.

Largue sua almofadinhice de lado e tire a camisa, assim como fez o Mirtão, que deixou seu caminhão na quadra de cima, porque se a mulher dele ver que o veículo está em frente ao bar da esquina, ela vem correndo com a frigideira fazer como fez no sábado passado, deixando um galo gigante na cabeça careca-ninho do mais famoso caminhoneiro da vila.

O Pasqual fica ali, no balcão, aporrinhando o Neto com suas piadas velhas, como o Kiko fez com o gato, antes do animal exalar os seus últimos ‘miaus’.

Lá vem a Odete, irmã do Neto, com o baralho já sem cor (era vermelho), com o 3 de paus feito a caneta azul, e na outra mão, o prato de vidro marrom, com uma porção da salsicha ‘conservada’ picadinha e um pouco de cebola… delícia…

O Edson já pega e desafia o Zé para uma rodada de sinuca, já que a maquininha lhe tirou vários reais. Essa porcaria ainda não saiu de circulação, mas a emoção é tamanha quando eles jogam, que o errado não parece ser tão ilegal assim. Legal pode ser que não seja, do tipo, ‘muito bão isso aí’.. mas alguns minutos de adrenalina viciosa acabam rendendo discussões filosóficas sobre o porquê de tal máquina ser tão ‘ladrona’. “Eles inventam circuitos bandidos, de gente que não liga para a tristeza dos outros.”. Mas, na próxima, a sorte estará presente, e aí eles vão recuperar pelo menos uns 15% do que gastaram na última semana.

A sobrinha do Neto, a Bia, pega a boneca e coloca na outra mesa, com seu joguinho rosa de xícaras desproporcionais e um bulezinho amassado, se ajoelha numa cadeira meio torta (porque o Valdir se esqueceu que pesava quase 2 arrobas e ficou sentado nela no dia do jogo do Brasil e, fanático pela canarinho, se contorcia a cada gol alemão) perigando cair… “Senta direito minina!” gritou a tia Odete, enquanto pegava um guaraná.

A gente vê o movimento dos carros… poucos por ali nesse feriado. É aniversário do Sub. O prefeito decretou feriado. Aliás, o prefeito está ali, esperando a Odete soltar as cartas pro truco. A gente lembra que ele perdeu pra dupla Odete-Neto e ficou culpando o pobre parceiro Adamastor, que beirando seus 70 e poucos, já não conseguia ver os naipes direto depois de 2 goles no seu ‘presidente’.

A pururuca estala.. o limãozinho faz sua parte e realça o clima.

As coisas da vida..

Meu presente é meu passado.

Vai começar o jogo.

A gente se prepara. O Adamastor é palmeirense, coitado. Mas é assim. O Palmeiras dele de hoje já não é aquele que ‘assustava’ o São Paulo (que, convenhamos, não está tão bom das pernas assim), porém, clássico é clássico.

A partida acontece como tem que acontecer. O buteco do Neto começa a ficar mais movimentado, atrapalhando a partida de truco. Mas, a pequena Bia já aprendeu um pouquinho…

É assim. Os pais da esputelinha não estão mais entre nós, por causa de um acidente de ônibus que os levou. Ali, com os tios que são a única família dela, nada de ruim vai acontecer. O Neto não bebe por causa da cirrose. A Odete fica bem alegre, mas sabe que, sendo a ‘mãe’, ‘corujar’ é muito melhor do que virar copos.

De repente, eles se unem no intervalo do jogo, e me aparecem com um bolo comprado no mercadinho da Inês, que já estava no bar com o namorado novo desde manhã, com os preparativos pro churrasquinho, que já cheirava bão!

Deu tempo do parabéns, do soprar as 3 velinhas, do tomar um golão de rabo de galo, do Leco tacar uma moda com seu violão e todo mundo já cantar desafinadamente como um coro afinado e meloso.

Uma parte da vizinhança se aproximava e fazia o Neto trabalhar mais ainda.

O São Paulo vencia o Palmeiras e o Adamastor cochilava um pouco, nem vendo mais a televisão de tubo, pequena, mas soberana sobre a mesinha embaixo da gaiola vazia.

Foi um pouco assim… não me lembro direito mais. A gente se sentou, olhou ao redor. Viu o que não existia e curtiu o aniversário no feriado com jogo do São Paulo.

Assim como uma mistura de passado com presente.. de cachaça com vermute tinto e seco.. O ano, o dia, o mês, as horas… não importa nada disso aí, não.

Quando o passado é um presente, as glórias que vêm dele são eternas.

Parabéns para todos que fazem minha vida ser tão como ela é.

As felicidades são para todos nós!

Imaginemos qualquer coisa para colorir o que quer que seja.

Só existe aquilo que sentimos.

 

Ronnie Mancuzo – Sub

Share Button

Feliz aniversário Reri e Sub

E hoje é dia de festa no Blog.

 

Aniversário de duas figuraças deste espaço. Pessoas realmente ímpares e diferenciadas. Inteligentes, carismáticas, amalucadas. Em algum momento penso que não são dessa galáxia.

 

10348226_641806305905342_5832148241282311467_nUm é da lei. O outro , um fora-da-lei.

 

Um é da terra. O outro do ar.

 

Um é de sol. O outro da lua.

 

Mas ambos são nossos. Do Blog do São Paulo

 

Que Deus os abençõe sempre. Que o melhor esteja reservado a ambos. E que possamos sempre dividir tudo por aqui.1622716_665108290197495_1623502533_n

 

Um forte abraço dos amigos do Blog do São Paulo

 

Em homenagem aos aniversariantes do dia:

 

Share Button

São Paulo recebe comitiva do Barça para tentar fechar venda de Douglas

Douglas

São Paulo e Barcelona podem selar no início desta semana a negociação do lateral-direito Douglas. Uma comitiva do clube espanhol chega ainda nesta segunda-feira à capital paulista para se reunir com dirigentes do Tricolor e acertar os últimos detalhes da transferência, bem encaminhada desde a semana passada.

Depois de bater cabeça em declarações, a diretoria brasileira adotou cautela e disse que ainda é preciso negociar aspectos importantes, inclusive relativos a valores. O Barça deverá pagar seis milhões de euros pelo atleta, cujos direitos estão divididos entre Traffic (40%) e São Paulo (60%). Nos cofres tricolores, que enfrentam problemas de receitas, entrariam 3,6 milhões de euros (R$ 10,8 milhões).

A expectativa geral é que essa reunião deixe o acerto, de fato, engatilhado. Fazem parte da comitiva do Barcelona o diretor de futebol Raül Sanllehí e o gerente Antoni Rossich. A ideia dos espanhóis era emprestar Douglas ao próprio São Paulo por um ano, fazer um monitoramento completo do jogador, e incorporá-lo ao grupo que conta com Neymar, Messi, entre muitas outras estrelas, apenas no ano que vem.

Como a janela de transferências de jogadores do exterior para o futebol brasileiro se encerrou no dia 15 de agosto, o empréstimo se tornou inviável. O Barcelona precisa, então, resolver se Douglas se juntaria imediatamente aos companheiros ou estudar a hipótese de um empréstimo a outro clube da Europa.

Caso a negociação seja concretizada, o técnico Muricy Ramalho terá três opções no grupo para substituir o lateral-direito, seu titular no Campeonato Brasileiro. A preferida é improvisar o zagueiro Paulo Miranda, que atuou na posição nas últimas três vitórias sobre Palmeiras, Internacional e Santos. Em 2012, quando o São Paulo ganhou a Copa Sul-Americana, o jogador já atuava como lateral.

Luis Ricardo e o jovem Auro, que integra com frequência as seleções brasileiras de base, são as outras alternativas do treinador para preencher a lacuna.

Fonte: Globo.com

Share Button

Coluna do Zanquetta: O Futebol, a Gestão e o Equilíbrio

Melhorou o futebol. E a gestão? Subimos na tabela do Brasileiro, o futebol melhorou e a torcida está mais feliz. Agora, sãopaulino, você sabe como está a instituição São Paulo Futebol Clube que você ama? Sabe? Não quer saber? Para você pouco importa ou para você importa?

Se para você não importa, eu sou apenas um chato e você não vai querer ler esta primeira parte da coluna. Se você é um Tricolor antenado que se importa e sabe o quanto pesa o São Paulo FC como um todo, você entenderá minhas preocupações.

Explodiu na mídia a dívida do São Paulo FC com o Muricy. Aidar, se vendo numa sinuca, procurou o treinador e sem dinheiro em caixa e sem querer fazer novo empréstimo, pediu paciência. Queria vender Rodrigo Caio e  mais um. Com a lesão de R. Caio, podemos ver o tamanho do problema que ficaram pois não conseguiriam vendê-lo agora.

Quem não consegue enxergar o probema como um todo eu explico: sem receber e louco para ajudar Aidar, Muricy voltou a escalar R. Caio na zaga pois queria que ele continuasse no time. Depois, tentou como volante. Tentou de tudo. E R. Caio seguia prejudicando. Até que machucou. Notem, que mesmo ele mal e sem render que era o que víamos, ele era escalado para poder ser vendido. E o azar foi tão grande que o tiro foi pela culatra.

Quando surgiu proposta por Douglas, veio a possibilidade de salvar a lavoura. Ou uma parte dela. Para cobrir a defasagem dos R$ 45 milhões que sim, uma parte é culpa de Juvenal e outra é culpa do Aidar que em 1 ano ao lado de Juvenal ignorou os problemas administrativos e só quis cuidar da imagem e do futebol. E antes que alguém me pergunte se o futebol não tem que ser prioridade, sim. Tem que ser. Mas sem esquecer de tudo. Aidar esqueceu.

Sem patrocínio, sem parceiros, sem vender, sem plano B, com contas para pagar, juros bancários altos, ST definhando, sem perspectivas de novos shows, bilheteria pequena a coisa ficou feia. E Aidar se cercou de família e amigos, não de gente capaz e competente. E aí que mora o problema. Esta semana, a filha de Aidar deixou a assessoria da presidência. Como esta coluna já está gigante, explicarei mais sobre isto e outros pontos na semana que vem e são importantíssimos. Mas adianto: Juvenal Juvêncio está mais vivo que nunca…

A negociação de material esportivo com Puma, Adidas e Under Armour pode ser a saída do sufoco. Todas as empresas, seja qual for, pagariam altos valores de luvas para cobrir o rombo já em 2014. Tem empresa como Under Armour que pensa em trazer até jogador como oferta que somaria com a parte esportiva. Já a Adidas, é uma marca que propõe excursões ao exterior que renderiam um bom dinheiro ao Tricolor. A Puma, é tudo na bufunfa. E até onde este Blog sabe, Under Armour e Puma estão na frente da Adidas nesta ordem. Mas, fechado, não há nada. Ainda, até porque a Penalty esta semana ameaçou fazer valer o contrato vendo seus concorrentes todos em cima do Tricolor.

Além desta possibilidade, há a tentativa de organizar um “consórcio” de empresas que pagariam um revezamento de publicidade no patrocínio master da camisa. Marcas se revezariam até o final do ano. A ideia ainda não saiu do papel. E falando de papel, e o tal “Busca São Paulo”? A ideia revolucionário, Aidar?

Bom, voltando ao futebol, é claro que o que importa hoje é o São Paulo ir bem no futebol e tomara que venham taças porque no final, é isto que rege o futebol. Mas, em 2015 neste caminhar, este time terá que se desfazer do Kaká e de mais gente e podemos perder Ganso para o Milan que está fortíssimo para levá-lo, Pato que tem mercado grande europeu e por ser ainda muito novo, Toloi, Denilson, A. Pereira e possivelmente jovens valores como o próprio R. Caio, Wellington, Boschilia. Todos estes, poderão deixar o Tricolor e complicar nossa campanha na Libertadores.

Enfim, vamos acompanhar semana a semana. Mas a gestão como disse, não está boa. E ainda temos que falar da sede, do clima interno, cobertura, social, política externa, Cotia, CCT etc. É chato e complexo, né?

Bom, semana que vem falamos mais disto. Agora. Vamos ao futebol que ninguém é de ferro…

Equilíbrio? Depois da acachapante derrota para o fraquíssimo Bragantino e de perda de pontos importantíssimos para Chapecoense, Criciúma e Goiás, o São Paulo parece que se reencontrou. Ou melhor, o foco em atacar e ser ofensivo do Muricy passou a funcionar tendo os 4 homens de frente juntos.

Mesmo sem Luis Fabiano como seu centro matador e finalizador, o time mostra que seus outros jogadores também podem ser decisivos. Pato e Ganso voando (sem trocadilhos), Kardec fazendo muito bem seu papel de puxar marcação e marcando gols quando tem chance e Kaká, ah, esse vem dando show dentro e fora dos gramados. Hoje, é de longe o jogador mais líder dentro e fora de campo. Kaká reuniu os jogadores, deu moral, dá atenção, orienta, ajuda e é bem aceito por todos mesmo com o maior salário do grupo. Está sendo fundamental. Mesmo! Se alguém quer saber o principal responsável por nosso momento, claro, é o grupo como um todo mas a peça chave é ele.

Muricy que depois da surra para o Barcelona em 2011 havia prometido nunca mais jogar com 3 zagueiros e só correndo atrás da bola, passou a tentar a montar seus times de modo mais avançado, mantendo posse de bola e sem perder a maior força ofensiva da partida. Ou seja, abriu mão do jeitão do Tri. Prefere a filosofia do que o resultado. Nas derrotas contra times pequenos e vexamosas eliminações, o que pesou foi a teimosia. Manteve peças ruins e tática ineficaz.

Teve tempo de sobra para treinar e não resultou em time coeso e produtivo. O time parecia um bando sem rumo. Defesa perdida, time tocando bola no meio e quando a perdia, o adversário ia com tudo para as nossas redes e nós desesperados atrás deles. Mas, com os 4 juntos, a superioridade técnica é absurda no ataque. E o toque, a postura antes tentada por Muricy vem dando certo. Parece que aprendeu com alguns erros e jogadores sem rendimento como Maicon, estão no banco. R. Caio que vinha errando muito também, machucado, saiu. A. Carlos deu lugar ao surpreendente Edson Silva. E Paulo Miranda na lateral direita vem jogando o mesmo futebol perdido no 2º semestre de 2012 no time campeão da Sul Americana.

Incrível é o poder do conjunto. Kaká e Ganso estão marcando muito! Kardec auxilia demais na frente, recompõe e até o Pato, vem mostrando uma vontade e vigor físico incríveis. Aquele futebol dele de 2006 e do início de Milan, reapareceu com mais maturidade. Essa recomposição, o poder técnico e diferenciado dos quatro de frente com os defensores melhores postados, dão o centro do equilíbrio.

Hoje, os adversários entram com medo em campo e quando abrem um pouco, o São Paulo decide. Entram recuados e nós, melhor postados, rendemos mais e dominamos e marcamos os gols. Agora, chegamos a um patamar muito bom. Foram 17 rodadas e temos um segundo turno inteiro mais uma Sul Americana para jogarmos. São muitos jogos em pouquíssimo tempo. Temos que cuidar do físico e manter o foco. Se essa vontade for mantida e essa dedicação não se transformar em salto alto, a coisa vai ficar boa pro Tricolor.

Agora, mesmo bem distantes do Cruzeiro, temos que fazer ajustes, definir se é esse elenco que irá até o final, preparar Michel Bastos e partir com garra para disputar esse campeonato e fazer jogos impecáveis já que o Cruzeiro, time regular e constante, segue sua saga de vitórias também.

Mas, nós que parece, encontramos nosso caminho temos qualidade e sonhar não nos custa nada. Afinal, ter fé é a base deste clube. Parabéns ao Muricy que está revendo conceitos, parabéns aos jogadores pela entrega e parabéns ao Kaká pelo profissional e líder que vem sendo na ausência deste papel por outros que deveriam fazê-lo.

Principal Ponto Negativo. Nosso principal problema hoje e desde o começo do ano é a bola aérea. Toda bola cruzada na área é um sufoco. Assistindo aos lances de São Paulo e Inter e São Paulo e Santos, Falcão, nosso volante nos anos 80, disse que notava o problema pela forma como Muricy armava a defesa por setor ao invés de marcar o jogador. Falcão afirmou que este problema é tão ruim quanto deixar o jogador acompanhar a bola e perder o foco no adversário. Quando acorda, o bola está no gol.

Achei pertinente e bem realista o comentário. Isto significa que na movimentação do adversário, cruzando na diagonal ou transversal, nossos zagueiros ficam perdidos e nunca conseguimos antecipar e sempre sofremos muito. Acorda, Muricy!

Alexandre Zanquetta

alexandrezanquetta@uol.com.br

twitter.com\blogdosaopaulo

twitter.com\saopaulinosrio

Share Button